Alexa e saúde: tecnologia a serviço da autonomia e qualidade de vida

Fonte: Amazon

Mais liberdade para pessoas com deficiência: pesquisa inédita da Amazon mostra que 1 em cada 3 PCDs utilizam assistentes virtuais diariamente e Alexa é a mais utilizada
Assistente virtual passa a disponibilizar mais de 900 conteúdos chancelados pelo Einstein sobre centenas de condições de saúde

Alexa continua oferecendo possibilidades e novas maneiras de vivenciar o mundo. Os recursos de acessibilidade de Alexa ajudam as pessoas a ficarem mais conectadas, mais entretidas e mais independentes. A possibilidade de acionamento de atividades por simples comandos de voz e o crescente número de dispositivos de casa inteligente compatíveis - mais de 800 atualmente, entre lâmpadas, plugues, interruptores e variados eletrodomésticos - têm permitido que cada vez mais PCDs utilizem Alexa em suas rotinas. Pesquisa inédita* realizada pela Hibou Pesquisas & Insights, encomendada pela equipe de Dispositivos e Serviços da Amazon no Brasil, mostra que 91% das pessoas com deficiência conhecem a tecnologia de assistentes virtuais, 1 em cada 3 usam todos os dias, e 2 em cada 3 relatam impactos positivos em suas vidas.

Realizada em maio de 2024, com 488 pessoas com deficiência e cuidadores (em menor porcentagem), a pesquisa abrangeu o Brasil todo, incluindo todas as classes sociais e idades (a partir de 16 anos). 42% dos respondentes moram sozinhos, um sinal de que a tecnologia colabora para a autonomia nessa realidade.(*)

O que para muitas pessoas é conveniência e ganho de tempo, para pessoas com deficiência é independência. Seja para ouvir músicas, acionar alarmes ou controlar a casa, 50% dos PCDs questionados utilizam assistentes virtuais. Desses, metade usa Alexa e as funções mais utilizadas por eles são: reprodução de música (58%); controle de casa inteligente (46%); configuração de alarme e timers (49%); notícias (43%); configuração de lembretes (42%); comunicação (40%); criação de rotinas automatizadas (29%); fazer compras ou controlar pedidos (24%); e leitura de texto em voz alta (22%).

Dos dispositivos conectados presentes nas residências dos entrevistados, as smartTVs (19%) e smartphones com assistentes integrados (61%) dominam. E além desses, 2 em cada 10 PCDs (21%) também possuem dispositivos Amazon com Alexa, como Echo e Fire TV.
A tecnologia por voz a serviço da inclusão e qualidade de vida de pessoas com deficiência já é uma realidade e há ainda muitas oportunidades de descoberta. Tanto que 55% dos entrevistados relaciona assistentes virtuais com “Acessibilidade”, “Praticidade de uso” e “autonomia no dia a dia”.

Alexa e Einstein

A partir deste mês, Alexa passa a fornecer explicações sobre causas, sintomas e formas de prevenção de várias condições de saúde chancelados pelo Hospital Israelita Albert Einstein, reforçando o apoio à saúde dos clientes e oferecendo interações significativas e relevantes. As informações chanceladas incluem áreas como neurologia, infectologia, cardiologia, oncologia, gastroenterologia, ginecologia, doenças autoimunes e reumatológicas, além de saúde ocular e mental. Neste primeiro momento, já
estão disponíveis mais de 900 conteúdos aprovados pelo Einstein, com assuntos definidos a partir dos temas mais consultados pelos brasileiros em Alexa. Clientes podem perguntar:

“Alexa, o que você sabe sobre saúde?”
“Alexa, como é o tratamento da malária?”
“Alexa, a tuberculose é contagiosa?”
“Alexa, o que causa a miopia?”
“Alexa, quais são os sintomas da apendicite?”


E receberão essas e muitas outras respostas sobre variadas doenças e condições de saúde. Até o final de 2024, a expectativa é que estejam disponíveis mais de 1.500 temáticas validadas pelo Einstein para Alexa.

Segurança e privacidade

Todos os dispositivos Amazon, incluindo a família Echo e Fire TV, são projetados com a privacidade em mente. Por padrão, os dispositivos Echo são desenvolvidos para gravar áudio somente após o dispositivo detectar a palavra de ativação escolhida, ou se o seu botão de ação for pressionado. Alexa só processa as informações a partir do momento em que a palavra de ativação (as opções atuais são: “Alexa”, “Amazon” ou “Echo”) é detectada.

Somente depois disso é que o dispositivo começa a enviar o pedido para a nuvem da Amazon, de forma segura. Em dispositivos com Alexa, há controles de microfone, capacidade de visualizar, excluir gravações de voz, entre outras.

_____________________________________________________

Leia também este artigo sobre a Casa Alexa e Acessibilidade

Para saber mais sobre os recursos que fornecem transparência e controle sobre sua experiência com Alexa, acesse: amazon.com.br/alexaprivacidade
_____________________________________________________

(*) Pesquisa de maio/2024, realizada pela Hibou – Pesquisas & Insights
488 respostas completas com 4,4% de margem de erro máximo
95% intervalo de confiança

Postagens mais visitadas deste blog

Dicas de presente para o idoso

Mercado imobiliário deve apostar em tecnologia e inovação para incluir pessoas com deficiência

Arquitetura para prevenção do declínio cognitivo: contribuições do espaço para o envelhecimento saudável