Segurança em tempos de Internet das coisas


O mercado da internet das coisas é relativamente recente, portanto, alguns dispositivos domésticos inteligentes ainda são vulneráveis à falhas de segurança.


Neste momento, ainda cabe ao usuário a vigilância constante das informações de sua casa conectada, devendo limitar as informações pessoais armazenadas nos diversos dispositivos.


De modo geral, a tecnologia das casas inteligentes inclui itens variados que tem como objetivo trazer conforto aos usuários. Além da conveniência, estes sistemas de automação residencial, incluem itens de segurança para a família. Estima-se que 90% dos consumidores afirmam que a segurança é uma das principais razões para investir em tecnologia em suas residências.


Vários consumidores adotaram algum tipo de equipamento em suas casas, baseados em sistemas Wi-fi, como câmeras e alarmes. Com este interesse crescente, nem sempre a vulnerabilidade do sistema é questionada.


Se você ainda não foi apresentado ao termo IoT, saiba que mesmo sem querer já pode ter utilizado um serviço baseado nessa tecnologia. Este termo se refere à crescente rede de dispositivos e aparelhos que utilizam a internet para interagir e armazenar dados. Assim como qualquer outro item de tecnologia, eles estão vulneráveis a ataques de hackers e vírus digitais.


Por estarmos no início do mercado de Internet das coisas (IoT), é normal que haja um período de adaptação para correção destes sistemas de segurança.


Listamos algumas dicas para aumentar a segurança de seus equipamentos:

  •   1. Passe a utilizar estratégias para escolher e alterar suas senhas
As senhas são a primeira linha de defesa contra ataques cibernéticos - tanto para roteadores de Internet, smartphones ou aplicativos de automação residencial. Por esta razão, os consumidores devem certificar-se de que suas senhas sejam alteradas com frequência.
As senhas devem ser longas e imprevisíveis, de preferência usando uma série de letras maiúsculas e minúsculas, bem como números e caracteres especiais. Além disso, nunca use nomes, aniversários ou endereços e sequências básicas (ex: 123456).

Sugerimos que as senhas das casas automatizadas sejam alteradas mais do que uma vez por ano.
 


  • 2. Escolha com atenção o login e senha das câmeras
As câmeras IP instaladas em quartos de crianças/idosos, são o principal ponto de entrada de um hacker.
No final de 2015, mais de 73 mil câmeras IP tiveram suas imagens inadvertidamente disponibilizadas na Internet, justamente porque os usuários deixaram de alterar a senha de fábrica.

Assim como os hackers se dedicam a desvendar os protocolos de autenticação, os consumidores devem frequentemente trocar o login e senha de suas câmeras IP e aproveitar para observar se houve alguma tentativa de invasão no sistema.


  •  3.  Protegendo suas redes Wi-Fi
A primeira regra é: jamais conectar itens de automação residencial através de redes Wi-fi públicas. Qualquer equipamento da casa conectado à rede Wi-fi facilita aos hackers obter dados confidenciais, portanto sempre utilize uma rede segura
Utilizar dispositivos que incluem criptografia pode ajudar a prevenir muitos inconvenientes. Mesmo que um hacker seja capaz de interceptar os sinais, ele terá grande dificuldade para decodificá-los.

Outra dica é criar mais do que uma rede. Segmentar dispositivos domésticos inteligentes em redes separadas pode impedir que um hacker tenha acesso imediato a todos os dispositivos  de uma única vez.

  • 4. Escolha uma marca conhecida
Invista em produtos de empresas que dêem garantia e suporte na sua região. As empresas mais tradicionais, já foram testadas por outros consumidores e por empresas de segurança, desta forma criaram meios para desenvolver produtos para Internet das coisas mais seguros e eficientes.
Concentre-se em empresas que são tão comprometidas com a segurança dos protocolos quanto com o desenvolvimento de seus produtos.

  • 5. Esteja preparado para um possível ataque cibernético
Mesmo com todos os cuidados, é temerário garantir que a segurança do seu sistema jamais será comprometida.
O usuário deve limitar qualquer informação pessoal armazenada em dispositivos de automação residencial para diminuir o dano, caso haja uma invasão do sistema de segurança.



 

A conveniência e liberdade que a Internet das coisas possibilita, também traz riscos de segurança. As tecnologias residenciais estão se desenvolvendo em ritmo acelerado, e estudos indicam que em 2022 as famílias terão mais de 500 itens disponíveis para automação residencial (dados Gartner – empresa de pesquisa de tecnologia), o que nos faz ter a certeza de que prevenir ataques é a melhor opção.





Fonte: www.inman.com


Comentários